A FLAD lança hoje a quinta edição do FLAD Science Award Atlantic, mantendo a aposta na investigação do Atlântico e dos seus ecossistemas, bem como na sua exploração sustentável. O vencedor desde prémio receberá 300 mil euros para desenvolver o seu projeto. As candidaturas à primeira fase decorrem entre 1 e 30 de junho.

Estudar o Atlântico é fundamental para compreender áreas muito diversas e multidisciplinares com impacto na sustentabilidade do planeta e na nossa qualidade de vida, desde a interação entre os oceanos, a atmosfera e o espaço, às alterações climáticas, fenómenos naturais e sustentabilidade.

Na 5ª edição do FLAD Science Award Atlantic, a FLAD irá reconhecer projetos de investigação que contribuam para o desenvolvimento de ciência marítima e tecnologia como meio de estimular inovação e reforçar o desenvolvimento sustentável da economia azul.

São elegíveis para o Prémio os candidatos que tenham concluído o doutoramento há não mais de oito anos. Para efeitos de contagem deste período, caso se aplique, serão tidas em consideração as licenças de maternidade e de paternidade, reforçando o compromisso da FLAD na promoção e garantia da igualdade de oportunidades.

Qual é o nosso objetivo?

No âmbito da forte aposta em Ciência e Tecnologia que caracteriza a FLAD, é importante que esta investigação consiga desenvolver resultados práticos, como a criação de estratégias, engenharia e tecnologias, que facilitem a nossa compreensão e exploração sustentável dos ecossistemas Atlânticos.

A FLAD quer apoiar e distinguir jovens académicos, promovendo assim a nova e promissora geração de investigadores que temos em Portugal, em estreita colaboração com os principais centros de investigação nos EUA.

Áreas-chave de investigação para a edição 2024

O prémio está aberto às áreas de estudo de engenharia/tecnologia e ambiente/ciências naturais, ciências sociais e humanidades.

  • Ciência e tecnologia para promover um oceano saudável e limpo, abordando o Atlântico como um bem natural do ecossistema;
  • Impacto futuro das alterações climáticas nas populações humanas das regiões do litoral atlântico e conceção de ações de mitigação ou de adaptação, incluindo a participação dos cidadãos;
  • Avaliar o valor do Atlântico em património natural e ecossistemas, nomeadamente no seu contributo para a Economia Azul, recorrendo a análises económicas avançadas e big data;
  • Estratégias ambientais e de transição energética para ilhas e áreas isoladas;
  • Mobilidade e logísticas sustentáveis, no contexto de transformação digital crescente;
  • Novas abordagens no planeamento, observação e gestão do espaço Atlântico, incluindo a preservação de ecossistemas críticas, fazendo uso de métodos de observação envolvendo sistemas de satélite de baixo custo, sistemas de sensores avançados, inteligência artificial ou data science;

Prémio

O prémio tem um valor de 300 mil euros, por um máximo de 3 anos, o que corresponde a 100 mil/ano.

Júri

A avaliação é feita por um júri de excelência composto por quatro elementos:

  • Miguel Miranda, Diretor Executivo do AirCentre, Professor Catedrático na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa;
  • Pedro Camanho, Professor Catedrático na Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, e presidente do LAETA;
  • Rui Ferreira dos Santos, Professor no CENSE – Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade NOVA de Lisboa.
  • Elsa Henriques, Professora Associada no Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa, e membro do Conselho Executivo da FLAD.

Perfil dos candidatos

  • Doutorado, no máximo há 8 anos;
  • Estar associado a um centro de investigação reconhecido pela FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia) nas áreas de investigação deste concurso;
  • Fazer investigação em Portugal, de forma independente, autónoma e com qualidade científica;
  • Ter uma declaração de apoio do centro de investigação a que está associado no plano de investigação;
  • Incluir uma interação de investigação com uma entidade norte-americana.

Avaliação

O prémio será atribuído após uma análise das candidaturas a duas fases:

  • 1ª Fase: A primeira fase de candidaturas decorre de 1 de junho a 30 de junho, onde se efetua uma revisão do currículo científico do candidato, juntamente com a avaliação das principais ideias apresentadas na proposta de investigação.
  • 2ª Fase: Os candidatos mais bem classificados na primeira fase são convocados a participar numa segunda fase de candidatura. Será necessário enviar a proposta referente ao plano de investigação para os 3 anos de duração do prémio, entre 13 de setembro e 13 de outubro. Caso seja necessário mais algum elemento de avaliação, existe a possibilidade de se realizar uma entrevista final.

O candidato vencedor será selecionado até 15 de novembro.

Candidaturas

Para a primeira fase de candidatura é necessário anexar ao formulário o Applicant Biosketch.

Consulte o edital deste concurso (Edital – FLAD Science Award Atlantic 2024 ) para conhecer todos os detalhes sobre o prémio e o processo de candidatura.

Submeta a sua candidatura através do formulário online no seguinte link: https://flad.secure.force.com/CandidaturaMain?language=pt_PT

Informação adicional ou dúvidas

Caso tenha questões sobre o prémio ou sobre o processo de candidatura, envie um email para fatima.fonseca@flad.pt.